Abraça o que te faz sorrir.
Em tempos em que quase ninguém se olha nos olhos, em que a maioria das pessoas pouco se interessa pelo que não lhe diz respeito, só mesmo agradecendo àqueles que percebem nossas descrenças, indecisões, suspeitas, tudo o que nos paralisa, e gastam um pouco da sua energia conosco, insistindo.
Martha Medeiros.  (via flor-azul)
Uma voz dentro de mim soluça: “Veja só, foi nisso que você se transformou. Está rodeada por opiniões negativas, olhares desanimados e rostos zombeteiros, pessoas que não gostam de você, e tudo porque não escuta o conselho de sua metade melhor.” Acredite, eu gostaria de escutar, mas não dá certo, porque, se eu ficar quieta e séria, todo mundo acha que estou representando outro papel e tenho de me salvar com uma piada; nem estou falando da minha família, que presume que estou doente, me enche de aspirina e sedativos, sente meu pescoço e minha testa para ver se estou com febre, pergunta sobre o movimentos intestinais e me critica por estar mal humorada, até eu não aguentar mais, porque quando todo mundo começa a me chatear, fico irritada, e depois triste, a parte má do lado de fora e a boa do lado de dentro, e tento achar um modo de me transformar no que poderia ser e no que gostaria de ser se… se não houvesse mais ninguém no mundo.
O Diário de Anne Frank. (via quedoceseja)
Te quero tão bem e dá vontade de te proteger de qualquer coisa desagradável e ficar com o rosto colado no seu falando besteira e abraçá-lo forte e apertado e ficar com o nariz colado no seu pescoço pra sentir o seu perfume.
Clarissa Corrêa.  (via amoremdoseselevadas)
Bonitas mesmo somos quando ninguém está nos vendo, atirada no sofá, com uma calça de ficar em casa, uma blusa faltando um botão, as pernas enroscadas uma na outra, o cabelo caindo de qualquer jeito pelo ombro, nenhuma preocupação se o batom resistiu ou não à longa passagem do dia. Um livro nas mãos, o olhar perdido dentro de tantas palavras, um ar de descoberta no rosto, linda.
Martha Medeiros (via entressonhar)
Gosto de ficar sozinho. Ou pelo menos, penso que fico melhor assim.
Dr. House (via poetas)
Ok, eu assumo. Tenho inveja dos homens. Inveja do quanto eles conseguem não se estressar com praticamente nada no mundo. Pra começar, meu sonho de consumo é conseguir me arrumar em 15 minutos. Em 15 minutos eu não decidi nem a calcinha que vou usar. Enquanto eles, práticos como são, conseguem tomar banho, escolher a roupa e se possível, lanchar antes de sair de casa nesse tempo. Não dá vontade de socar? Outra coisa que me irrita de uma forma profunda é a maneira com que esses filhos da puta encaram uma briga. Enquanto nós ficamos remoendo, pensando no que podíamos ter falado, pensando em maneiras de amenizar ou dar algum tipo de lição de moral – e assim varamos a noite – os infelizes dormem o sono dos justos e no dia seguinte mal se lembram do motivo da discussão. Não sei se nós que somos muito burras, ou se eles são muito espertos. Mas a verdade é que ser homem tem sim muitas vantagens. A maioria faz o que tá com vontade sem se preocupar com o que vão comentar no dia seguinte. Não tem dor de cabeça e nem preocupação com unhas feitas, depilação – coisas que além de tirarem nosso tempo, tiram nosso dinheiro. Não sofrem preconceito no trânsito, não são encarregados de arrumar a casa ou fazer comida, não tem TPM. A verdade é que ser mulher é complicado, e não é pra qualquer um. Se equilibrar num salto durante uma noite inteira, conseguir fazer mil coisas ao mesmo tempo, sofrer no salão de beleza, dar conta da casa, amigos e namorado não é lá tarefa tão fácil não. E é por isso que eu valorizo tanto essa raça. Sim, porque é muita raça. Cada uma com sua história, mas todas sempre muito mulheres, afinal, pra ser mulher é preciso muito mais do que somente nascer sem algo entre as pernas. Pra ser mulher é fundamental segurar o tranco, saber a hora de engolir o choro e de falar sério, saber como administrar os problemas com um sorriso no rosto, saber cuidar de todos e ainda assim ter tempo pra se cuidar. Pra ser mulher, o peito vai muito além do que se vê por trás do sutiã, a coragem vai muito além do que se possa imaginar. Se você é mulher, sabe do que eu tô falando.
Tati Bernardi   (via p-refacio)
Tomara que apesar dos apesares todos, a gente continue tendo valentia suficiente para não abrir mão de se sentir feliz …
Caio Fernando Abreu  (via entressonhar)
Amor não é paixão. Fazer sexo não é fazer amor. Ódio não é amor. Amor não é fogo, não é chama, não é amizade, não é casamento, nem compromisso. Amor não é namorar, não é chorar, não é beijar, não é desejar, não é saudade. Amar não é estar-se preso por vontade. Não é servir quem vence o vencedor. Amor não vai. Amor é o que fica. Amor é resto. Amor é o que sobra do que foi supracitado. Amor não é onda, é o mar. É o companheiro que não abandona depois que todas as fervorosas sensações se foram. Paixão, ódio, saudade, sexo, casamento, desejo são como trens. Amor é estação.
Gabito Nunes  (via alumbrar)